segunda-feira, 27 de setembro de 2010

o menor stop motion do mundo



e o making of


sugerido pelo Renato Murakami

domingo, 26 de setembro de 2010

sussurros 8


Matosinhos, Portugal

Reeditado


Descobri com a ajuda da prima que uma casa quis sussurrar um pouquinho mais, quem sabe soltar um pequeno grito ao se repetir. Ou quem sabe atrapalhei-me ao sussurrar – deve ser uma dessas coisas que acontecem quando temos tanto a falar. Corrigindo o erro segue o Sussurro 6 reeditado.
Viana do Castelo.

sábado, 25 de setembro de 2010

imagem latente


Não sou de muitas palavras. Acho que é a minha natureza imagética que me faz assim. Sou de olhares e silêncios fomentados pela solidão do ofício fotográfico. E quando me pedes palavras – aquelas que revelam o íntimo -, elas me fogem. Fico num balbuciar alucinado procurando com os olhos um ponto de fuga, um quadro, um rasgo de luz que se transforme em imagem para que eu possa descrever-me. Sou imagem latente. E fadigada suplico-te, leia-me. E lerás a saudade e as lembranças e os sonhos e a distância e tudo aquilo que não sei revelar.

Porque hoje é sábado


e tudo está além da superfície.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

sábado, 18 de setembro de 2010

domingo, 12 de setembro de 2010


“quem observar os movimentos de um fotógrafo munido de aparelho (ou de um
aparelho munido de fotógrafo) estará observando movimento e caça. O antiqüíssimo gesto do
1 Somados o tempo de todas as 2.500 fotografias que realizei chego a um registro de 20 segundos aproximadamente, visto
que, em geral, trabalhei com exposição de 1/60 segundos.
564 Reportagem fotográfica e liberdade na construção narrativa
5º SOPCOM – Comunicação e Cidadania
caçador paleolítico que persegue a caça na tundra. Com diferença de que o fotógrafo não se
movimenta em pradaria aberta, mas na floresta densa da cultura.” (Flusser, 1985:22)

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

O sal da língua



Escuta, escuta: tenho ainda
uma coisa a dizer.
Não é importante, eu sei, não vai
salvar o mundo, não mudará
a vida de ninguém - mas quem
é hoje capaz de salvar o mundo
ou apenas mudar o sentido
da vida de alguém?
Escuta-me, não te demoro.
É coisa pouca, como a chuvinha
que vem vindo devagar.
São três, quatro palavras, pouco
mais. Palavras que te quero confiar,
para que não se extinga o seu lume,
o seu lume breve.
Palavras que muito amei,
que talvez ame ainda.
Elas são a casa, o sal da língua.

Eugénio de Andrade

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

XVI Encuentros abiertos – Festival de la Luz




Acontece na Argentina até o final deste mês o XVI Encuentros abiertos – Festival de la Luz.
Há esposições em vários lugares e uma que eu gostaria de ver é a Brassaï em Buenos Aires.
A mostra, que fica em cartaz no MNBA – Museo Nacional de Bellas Artes até 26 de setembro e é composta por 126 fotografias.
Para saber mais sobre a mostrra e festival acesse:
www.encuentrosabiertos.com.ar

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

É urgente o amor


É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.

Eugénio de Andrade

porque há dias que a saudade dói
foto: Diamantino Carvalho

sábado, 4 de setembro de 2010

porque hoje é sábado


Outro.
Já!
Balneário Camboriu. Brasil