terça-feira, 29 de abril de 2008

Hoje é sobre fotojornalismo

Algumas vezes é difícil publicar fotojornalismo no Brasil.
Fazer fotojornalismo é uma prática que demanda conhecimento técnico e narrativo.
E neste quesito ganhamos certamente.
Temos excelentes repórteres fotográficos.
Porém, o que se percebe ultimamente é que em algumas publicações a imagem está voltando a ser um elemento decorativo.
Editores, diagramadores, designers buscam a imagem que represente aquilo que se quer dizer.
Que a imagem é representação do real, todos os que estudam fotografia, sabem. Mas que o fotojornalismo tem compromisso com o fato, parece que estão se esquecendo.
E, então, temos editores pedindo aos fotógrafos que "criem" a imagem, "montem" o cenário.
Chegará (ou já chegou) um dia em que estes editores pedirão que o redator "crie" personagens? Penso que a cena seria assim:

- Oras,(diria o editor) se não temos entrevistados, crie! Escreva assim: J.P. e N.S. são atendidos pela clínica de psiquiatria e já sentem melhora em seu casamento. De quebra chama alguém da rua e pede para posar para o retratista!

E tem mais: leia a crítica sobre a manipulação que a Isto É publicou.

http://www.garapa.org/2008/04/isso-e-jornalismo/

sexta-feira, 25 de abril de 2008

José e Maria foram separados por Jesus

José e Maria ficaram casados por 55 anos.
Maria sempre cuidou do marido – e fazia isso com capricho e carinho impressionáveis. Se havia coisa que gostava de ver era a Maria colocar a roupa do José no varal. Cada peça era acarinhada, como se José estivesse dentro delas.
Maria sempre fez tudo por ele; um fazer daqueles que traz felicidade.
Maria teve seis irmãos e todos morreram.
Não tem mãe, não tem pai, não tem sobrinhos, não tem filhos, não tem um parente.

Ontem José morreu.
Durante o enterro Maria, mulher forte em seus 88 anos, chorava pelo seu Zé e declarava: “não tem problema Zé. Não foi você que me deixou, foi Jesus que me separou de você”.
Jesus certamente levou a melhor.
José era um homem exemplar e deve estar feliz lá pelo céu esperando sua Maria.

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Isabella e o fator Léo Minosa

Acabei de voltar da reunião do grupo de pesquisa do qual faço parte. É um grupo liderado pela Kati Caetano e trata dos usos e interfaces das imagens fotográficas nas mídias.
O tema de hoje foi Passagens e Convergências: diálogos entre as mídias.
Os textos tratados foram: "Entre-imagem" de Bellour e "Por una función crítica de la fotografía de prensa" de Pepe Baeza.
Em meio a discussão a Kati relacionou o "Caso Isabella" com o filme "A montanha dos sete abutres".
Perfeito!
É o típico fator Léo Minosa: a construção de fatos, heróis e bandidos que alimentam a mídia.

terça-feira, 15 de abril de 2008

Ponta Grossa

Estive em Ponta Grossa, minha cidade natal.
Não está em meus planos voltar a morar por lá.
Amo algumas pessoas que lá residem, mas não sinto saudade da cidade.
Porém, em um determinado momento revivi instantes de minha juventude, relebrando a EFAPI. A Exposição Feira Agropecuária e Industrial acontecia onde hoje é o campus da Universidade Estadual.
Senti o cheiro da serragem que cobria o chão dos pavilhões e da pipoca que atiçava a criançada em torno do parque de diversões.
Senti o gosto da maçã do amor partilhada na paixão de juventude.
A memória é poderosa e quando aliada à imaginação pode reconstruir instantes.
Neste final de semana fui feliz em Ponta Grossa.

Abaixo algumas imagens feitas da janela do apartamento de meus pais.




sábado, 12 de abril de 2008

Na capa do jornal

Fome aumentará guerra e conflitos no mundo, diz a FAO

Às vezes me deparo com pessoas que acreditam não ter absolutamente nada a ver com a fome do outro. Que não são responsáveis pela violência, já que ela (a violência) não é desencadeada por seus atos. Pessoas que tentam se esconder na indiferença e em bolsões de boas maneiras e de atos que se adequam ao jargão "politicamente corretos".
Penso que essa pesquisa da FAO pode ser um alerta.
Ou será ingenuidade minha?

Chove em Curitiba

sexta-feira, 11 de abril de 2008

Gato fotógrafo

A tecnologia digital realmente popularizou a fotografia. Prova são as fotos de um gato alemão, Fritz. O bichinho tem sua própria câmera que está preparada para disparar em intervalos regulares. Ao final do dia sua dona descarrega as fotos na página do gatinho: www.katz23.de
Sempre digo aos meus alunos que devem procurar novos ângulos. O Fritz faz isso.




quarta-feira, 9 de abril de 2008

Caçadores

"Quem observar os movimentos de um fotógrafo munido de aparelho (ou de um aparelho munido de fotógrafo) estará observando movimento e caça. O antiqüíssimo gesto do caçador paleolítico que persegue a caça na tundra. Com diferença de que o fotógrafo não se movimenta em pradaria aberta, mas na floresta densa da cultura."
Lucia Santaella
trecho do livro Imagem: cognição, semiótica e mídia escrito por ela e por Winfried Nöth.

terça-feira, 8 de abril de 2008

sou outra


Quando sonho, sou outra.
Inauguro-me.

Helena Kolody

Encuentros

Estou animada com a possibilidade de passar uma semana na Argentina em agosto. durante todo o mês acontece a XV edição dos Ecuentros Abiertos, o mais importante encontro de fotografia na América Latina.
O tema deste ano é Nosotros-Ustedes-Ellos.

segunda-feira, 7 de abril de 2008

CLARO



Fui passear na exposição do Claro Jansson, na UP.
Jansson documentou o Brasil no início do século XX.
O material fica exposto até o dia 25 de abril.

sábado, 5 de abril de 2008

Amanheci cheia de saudade de Portugal.





terça-feira, 1 de abril de 2008

passeio na Lapa







Fiz um passeio com meus alunos na histórica cidade da Lapa - região metropolitana de Curitiba. Postarei e comentarei algumas fotos resultantes desse trabalho.

operator

Roland Barthes no livro A Câmara Clara define operator como aquele que opera a câmera fotográfica.
Claro que ele vai além.
Operator é aquele que para operar a câmera observa, recorta, define, escreve.
Esse blog será espaço de divulgação de fotos minhas e de meus alunos, de comentários sobre a fotografia.